Ao entrar retire todas as suas tristezas e pense que estas aqui junto a nos, puxe uma cadeira tome um cafe estamos sentados em volta do fogão de lenha prosiano e comendo as quitandas e não podia faltar o bolo de fuba e o pão de queijo fique a vontade ........Tenho aprendido com o tempo que a felicidade vibra na frequencia das coisas mais simples Que o que amacia a vida, acende o riso convida a alma, pra brincar sao estas imensas coisas pequeninas, bordadas com fios de luz no tecido aspero do cotidiano¨¨ Almas perfumadas
Tem gente que tem cheiro de passarinho quando canta, ou de sol quando acorda. De flor quando ri.

Ao lado delas, a gente se sente no balanço de uma rede que dança gostoso numa tarde grande, sem relógio e sem agenda.

Ao lado delas, a gente se sente comendo pipoca na praça, lambuzando o queixo de sorvete, melando os dedos com algodão doce da cor mais doce que tem pra escolher.

O tempo é outro e a vida fica com a cara que ela tem de verdade, mas que a gente desaprende de ver.

Tem gente que tem cheiro de colo de Deus, de banho de mar quando a água é quente e o céu é azul.

Ao lado delas, a gente sabe que os anjos existem e que alguns são invisíveis.

Ao lado delas, a gente se sente chegando em casa e trocando o salto pelo chinelo, sonhando a maior tolice do mundo com o gozo de quem não liga pra isso.

Ao lado delas, pode ser abril, mas parece manhã de Natal do tempo em que a gente acordava e encontrava o presente do Papai Noel.

Tem gente que tem cheiro das estrelas que Deus acendeu no céu e daquelas que conseguimos acender na Terra.

Ao lado delas, a gente não acha que o amor é possível, a gente tem certeza.

Ao lado delas, a gente se sente visitando um lugar feito de alegria, recebendo um buquê de carinhos, abraçando um filhote de urso panda, tocando com os olhos os olhos da paz.

Ao lado delas, saboreamos a delícia do toque suave que sua presença sopra no nosso coração.

Tem gente que tem cheiro de cafuné sem pressa, do brinquedo que a gente não largava, do acalanto que o silêncio canta, de passeio no jardim.

Ao lado delas, a gente percebe que a sensualidade é um perfume que vem de dentro e que a atração que realmente nos move não passa só pelo corpo, corre em outras veia pulsa em outro lugar.

Ao lado delas, a gente lembra que no instante em que rimos Deus está conosco, juntinho ao nosso lado e a gente ri grande que nem menino arteiro.

Tem gente, como você, que nem percebe como tem a alma perfumada!

E que esse perfume é dom de Deus.

(Ana Cláudia Saldanha Jácomo)

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Saudades de meus pais e da minha vozinha querida







Pois hoje acordei com saudade da minha avó Maria   Avó não, pois ela me criou. Minha mãe.
Quantas horas sem dormir por conta de minhas enfermidades... e quando precisei acordar muito cedo para estudar, era meu despertador acompanhado de leite com açúcar queimado. Com paciência me ensinou coisas difíceis para mim e meus irmãos que somos em quatro um ano de diferença . Com rabugice típica das mães me cobrou notas no boletim  Memórias duras ela tinha  .. e eu tive que seguir à risca.
Por conta de tratamento com médico homeopata me cortou o chocolate, o café e e a tubaína . Cortar a  tubaína , minha avó, ainda não consegui. ;) Mas com sorriso maroto a senhora fingiria não ver...
Jogava bola comigo... e eu jogava bola dentro de casa. Sim, quebrando vidraças e outras coisinhas... mas o seu amor não ligava para isso.
Com amor imenso me criou, educou, alimentou, vestiu  . Como esquecer de tudo isso, minha veia?! E como homenageá-la por tanto amor e carinho a mim entregue? Resolvi escrever hoje. No dia em que a senhora faria 91 anos. . Onde o presenteado era sempre eu e o meu pai. Aquele a quem a senhora muito amou também... amou
Me senti e sinto ainda desprotegida. Olhar várias vezes para os lados para atravessar as ruas era sua exigência. Sempre! Procuro fazer isso ainda. Mas sei que se tiver maiores apertos, não poderei ligar para a senhora e dizer... "vovó... veja bem..."

Tolerância, amor, medida de disciplina e abraços. Comidinha à gosto. Oração na hora de dormir. "Com Deus me deito, com Deus me levanto, com a Graça de Deus e do Divino Espírito Santo".
A sua fé sempre existiu e nunca vi pessoa tão guerreira, tão disposta, tão incansável em busca do sim, quando tudo indicava o não. Idas e voltas à  . Várias vezes. Deixando herança para os filhos de maneira que pudessem ter alguma tranquilidade e não passassem as privações que a senhora teve, morando em "casa de cômodo", vindo do interior do Espírito Santo.
A simplicidade de quem foi tão linda...  . era bonita mesmo. E se casou com meu amado avó. Aquele bonitão com um charme e olhos azuis que só podia lhe dar muito trabalho... e deu mesmo! Mas ela superou e, apesar de tudo, foi ela quem dele cuidou no final da vida.
Muitos nunca entenderam sua generosidade. Aliás, por vezes e pelos filhos a senhora exagerou. Mas são as contra-indicações de quem amou demais.
É minha avó... já são  anos que a senhora se foi.mamãe também e papai o ano passado  Se foi para um dia nos encontrarmos. Essa é a minha fé e a razão de meu equilíbrio.
Eu precisava escrever-lhe. Ainda que psicólogos e psiquiatras criem as teorias e explicações, o que tenho mesmo é saudade imensa e o desejo de voltar à infância e responder seu chamado  tocando o sino na porta da cozinha gritando meu nome para que eu fosse almoçar...
Te amo, vovó.
A gente se vê e se abraça por aí. Porque aí é bem melhor do que aqui. Disso não tenho dúvida
,Minha avó dizia: para ser feliz, a gente não precisa sair do lugar, a gente tem que ser o lugar. Ela me advertia com seu olhar de madrepérola. Eu não entendia. Ser feliz para mim era sair de casa, depois da cidade, depois do estado e, se possível, do país. Acreditava que quanto mais longe do início mais perto do final. Julgava a independência um modo de fugir. Descobri que estava errada. Quanto mais longe do final mais perto do começo. Nada mais alto, banal e humano do que dizer: “eu sei ser feliz”. Dor, susto, drama e tragédia, a gente já nasce sabendo. Saber ser feliz exige décadas para entender e, ao mesmo tempo, pede tão pouco. Basta um ter o outro. Ficar horas conversando abraçados. Não depender de lugares famosos, de restaurantes, de aventuras exóticas para contar depois. A felicidade é uma impressão, uma intensidade, que não há como descrever para os amigos. Muitas vezes, se vive somente para relatar o quanto nossa vida é impressionante, mas lá no fundo persiste uma mágoa desconfiada de não vivermos o que realmente desejamos. O que desejamos não se diz, se arde. Saber ser feliz é se deliciar com bobagens e lembranças, brincadeiras e com a proximidade do corpo. Não deixar o corpo ser apenas um corpo




Antigamente minha vida parecia ser mais colorida, tinha um  brilho diferenciado e um sabor mais adocicado. Sabe… sinto saudades de ficar brincando o dia todo, sem ter com promisso nenhum. Saudades de passar uma tarde na casa da minha avó fazendo desenhos horríveis, e ela sempre os elogiando para não me desanimar. Saudades de brincar de esconde-esconde com meus irmãos de tardezinha. Saudades de não me sentir só nem por um instante. Saudades de comer três pedaços de bolo e não me importar com nada. Saudades de passar os finais de tardes com minha família comendo pão de queijo e tomando um café quente. Saudades de não me preocupar com a opinião de ninguém, apenas ser feliz do meu jeito. Confirmo, por experiência própria, que realmente as coisas mais simples são as melhores, as mais especiais e as mais marcantes. O que me resta é levar na bagagem as lembranças dos bons tempos, que infelizmente não voltam nunca mais. — Ana Lívia Brandão, em Bons Tempos

Um comentário:

  1. Querida,nao te conheco pessoalmente mas pelo que vc escreveu ja dá pra se ter uma ideia de vc.
    Gostei tanto do texto que nao poderia passar sem deixar o meu abraco e um beijinho sabor de café passado na hora daqueles que so tomei na casa de parentes em Minas...saudades também!
    obrigada por me deliciar com um texto tao lindo e emocionante!Um beijo grande Yone

    ResponderExcluir

Adoro quando você comenta fica meu agradecimento aos leitores e amigos,